Percursos de São Roque

Os Percursos de São Roque em Portugal: itinerários de peregrinação e devoção constituem-se como um projecto de turismo religioso e cultural, recuperando para a contemporaneidade as rotas nacionais de devoção a São Roque.

O objectivo essencial passa pela aproximação a todas as comunidades, bem como partilhar e recuperar algumas das vivências culturais e religiosas que fazem parte da nossa memória colectiva.

Em Percursos de São Roque: itinerários de peregrinação e devoção são identificadas ermidas, capelas, igrejas dedicadas ao Santo, atestando os primórdios das manifestações devocionais no território nacional, em lugares que Roque (nascido em Montpellier entre 1345/1350 e falecido em Voghera, entre 1376/1379) não conheceu, mas que foram percorridos pelas suas Sagradas Relíquias e pela fama dos seus milagres, libertando da peste, santificando, protegendo e convertendo com a força e do seu exemplo de vida.

Estes templos constituíram-se como lugares de devoção, assistência, hospitalidade, caridade e de peregrinação, sendo muitas vezes erguidos nas rotas de peregrinação a Santiago de Compostela desempenhando um maior investimento na dimensão penitencial e devocional.

Os Percursos de São Roque: itinerários de peregrinação e devoção estão suportados por um levantamento geo-histórico, no qual são igualmente identificados outros locais de interesse, associados às manifestações populares, comunidades de devotos, confrarias, irmandades, comissões fabriqueiras e aos párocos, que, desde 1506 até à actualidade, se colocaram sob a invocação do Santo.

O culto a São Roque iniciou-se em 1506, em Lisboa, com a chegada das Relíquias do Santo, que o rei D. Manuel I pediu à Senhoria da Veneza, para proteção da cidade do flagelo da peste. Foi construída uma Ermida para guardar e pôr à veneração dos fiéis as Relíquias do Santo, sendo instituída uma Irmandade de São Roque, que anualmente mantém viva essa tradição.

Este é o dia da nossa partida. Esperamos por Si, para darmos continuidade a estes “Percursos de São Roque: itinerários de devoção e de peregrinação”.

 
  • Filtros
Categoria: Capelas

EN 315 até Sambade e depois segue para Vila Nova, Alfândega da Fé, Sambade, Portugal

A capela foi construída no século XVII, no extremo nascente da povoação, no fundo de um vale encaixado e junto a um ribeiro. 

Categoria: Capelas

Rua da Ínsua, Vila Real, Mondrões, Portugal

A Capela de São Roque foi edificada no século XVII, mas remodelada, provavelmente, no século XX, sendo-lhe introduzidos os actuais vãos, na fachada principal. 

Categoria: Capelas

Lugar de Cima do Povo, em Quintela, Vila Real, Vila Marim, Portugal

Capela construída provavelmente no século XVIII. Em 1998, a Comissão Fabriqueira promoveu as obras de restauro, que incluíram: alteamento das fachadas, remoção dos rebocos das paredes.

Categoria: Capelas

Avenida de São Roque, Vimioso, Algoso

A Capela de São Roque foi erguida na periferia da aldeia de Algoso, por voto dos seus moradores “no tempo que o incêndio da peste ardia neste reino” e nas Terras de Miranda, em cerca de...

Categoria: Capelas

Vimioso, Carção, Portugal

A capela de São Roque ergue-se a 711 metros de altitude, com fachada orientada para a povoação e a sua existência é confirmada em 1751, pelo P. Luiz Cardoso que refere que “Ha dentro deste...

Categoria: Capelas

Bairro do Campo, 5320-210 Vinhais, Vinhais, Peleias, Portugal

A procissão de S. Roque destaca-se pela cenografia dos andores de construídos com estruturas efémeras de grandes dimensões. 

Pesquisa no mapa

 

Pontos de Interesse: Sugestões

A primitiva Capela de São Roque, de finais do século XV ou de inícios do século seguinte, localizada na Praça de São Roque, foi demolida no século XIX, depois do pedido dirigido à Câmara em...

Rua Dr. Carvalho Monteiro, Oliveira do Hospital, Lagos da Beira, Portugal

Passos de Via-Sacra: apresentam estrutura e decoração idênticas e encontram-se encaixados em muros, sendo atribuídos ao Mestre Domingos Moreira.

Rua do Lidador, Vila do Conde, Portugal

No ano de 1610, iniciou-se a construção da pequena ermida de S. Roque, num terreno que pertencia ao Sargento-Mor Gaspar de Freitas da Costa. 

Angra do Heroísmo, Portugal