Percursos de São Roque

Os Percursos de São Roque em Portugal: itinerários de peregrinação e devoção constituem-se como um projecto de turismo religioso e cultural, recuperando para a contemporaneidade as rotas nacionais de devoção a São Roque.

O objectivo essencial passa pela aproximação a todas as comunidades, bem como partilhar e recuperar algumas das vivências culturais e religiosas que fazem parte da nossa memória colectiva.

Em Percursos de São Roque: itinerários de peregrinação e devoção são identificadas ermidas, capelas, igrejas dedicadas ao Santo, atestando os primórdios das manifestações devocionais no território nacional, em lugares que Roque (nascido em Montpellier entre 1345/1350 e falecido em Voghera, entre 1376/1379) não conheceu, mas que foram percorridos pelas suas Sagradas Relíquias e pela fama dos seus milagres, libertando da peste, santificando, protegendo e convertendo com a força e do seu exemplo de vida.

Estes templos constituíram-se como lugares de devoção, assistência, hospitalidade, caridade e de peregrinação, sendo muitas vezes erguidos nas rotas de peregrinação a Santiago de Compostela desempenhando um maior investimento na dimensão penitencial e devocional.

Os Percursos de São Roque: itinerários de peregrinação e devoção estão suportados por um levantamento geo-histórico, no qual são igualmente identificados outros locais de interesse, associados às manifestações populares, comunidades de devotos, confrarias, irmandades, comissões fabriqueiras e aos párocos, que, desde 1506 até à actualidade, se colocaram sob a invocação do Santo.

O culto a São Roque iniciou-se em 1506, em Lisboa, com a chegada das Relíquias do Santo, que o rei D. Manuel I pediu à Senhoria da Veneza, para proteção da cidade do flagelo da peste. Foi construída uma Ermida para guardar e pôr à veneração dos fiéis as Relíquias do Santo, sendo instituída uma Irmandade de São Roque, que anualmente mantém viva essa tradição.

Este é o dia da nossa partida. Esperamos por Si, para darmos continuidade a estes “Percursos de São Roque: itinerários de devoção e de peregrinação”.

Ficha Técnica

Ficha Técnica
Projecto   

Turismo Cultural e Religioso

Título      

Percursos de São Roque em Portugal: itinerários de devoção e de peregrinação

Autoria

Helena Gonçalves Pinto

Referências bibliográficas e créditos fotográficos 

Autores Vários

Ano   

2011 

 
  • Filtros

Em 1527, D. João III instituiu a Irmandade da Corte, destinada a socorrer as viúvas dos fidalgos e cavaleiros pobres que morressem ao serviço de Portugal e que ficou responsável pela manutenção...

Mandado construir por D. João V para cumprir um voto de sucessão, o Palácio de Mafra é o mais importante monumento do barroco em Portugal. 

Esta é a Paróquia mais antiga de Lisboa, criada logo após a conquista da cidade, em 1147. 

Categoria: Capelas

Está documentada a existência de uma Ermida de S. Brás, desde 1568. As devoções a São Brás e a São Roque mantiveram-se ao longo dos séculos na Capela.

Categoria: Capelas

A Capela tem uma nave única, com torre sineira lateral e a fachada antecedida por um alpendre. No interior do templo localiza-se a imagem de S. Roque, que é padroeiro da aldeia.

Categoria: Capelas

A capela insere-se no conjunto do Centro de Reabilitação de Alcoitão, criado em 1956 pelo Provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, Dr. José Guilherme de Mello e Castro.

Pesquisa no mapa

 

Pontos de Interesse: Sugestões

Capela construída provavelmente no século XVIII. Em 1998, a Comissão Fabriqueira promoveu as obras de restauro, que incluíram: alteamento das fachadas, remoção dos rebocos das paredes.

Lugar de Cima do Povo, em Quintela, Vila Real, Vila Marim, Portugal

A Capela de São Roque foi edificada no itinerário dos caminhos de Santiago, a caminho de Agualonga, e passando a velha ponte, encontra-se o templo.

EN 201, Paredes de Coura, Rubiães

Em Podence existiu uma Capela de São Roque, de cuja memória apenas ficou uma placa toponímica que atesta o local da sua implantação.

Largo de São Roque, Macedo Cavaleiros, Podence, Portugal